19 janeiro 2013

Diabetes

O plano principal esse ano era mudar de vida. Mudar o estilo de vida. Encontrar novos prazeres que não envolvessem comida. Mudar a mente obesa. Emagrecer. Ter saúde e não apenas ser magra, mas ganhar músculos!!! “Ser tora” como os gêmeos costumam falar ^^

Não sei porquê comecei falando no passado, se na verdade o pensamento É esse. Principalmente depois da notícia que tive ontem. Deixou-me tão triste. Como se me obrigassem a fazer tudo isso, não por escolha, ou melhor, ter que escolher entre viver e aproveitar muitos anos de vida saudável, mas mudar completamente, ou continuar nessa vida desregrada e correr muitos riscos!!!

As palavras que ouvi no consultório da endocrinologista foram: “Poxa....notícia ruim... diabetes”; “Ahn?”. Até agora é um pouco difícil de acreditar que essa seja minha realidade. Conversei com a sogra, com a irmã, perguntei se não tinha chance de erro no diagnóstico da médica. Pesquisei na internet, até perceber que queria me enganar. Claro, quem com 25 anos quer ter diabetes? Quem com qualquer idade quer ter diabetes?! Quem quer ter qualquer tipo de doença?! Pois é, mas agi tantos anos de forma meio despreocupada e percebo que foi muito inconsequente da minha parte. Nunca pensamos em como o que comemos afeta nosso organismo. Ou simplesmente "deixamos pra lá".

Maltratei tanto meu corpo que ele levantou a bandeira branca. Mesmo com tantos avisos e complicações parece que nunca consegui ter aquela determinação forte de mudar completamente a vida. Acredito que isso tem muito a ver com mudar a mente. E foi isso que até hoje não consegui.

As pessoas falam muito sobre “pensar que nem gordinho”, “gordice”, etcs. O nome do livro da Beck é bem interessante se for analisar... “Pense magro”, quem pensa magro não é possível que seja gordo! Eu sempre tentei e tentei, mas nunca mudei meu pensamento e por isso continuei sempre pensando gordo, e isso somente me levou a ter muitas complicações de saúde! E agora essa... Não posso negar que fiquei muito triste. Tive vontade de chorar ali no consultório. Senti-me injustiçada. Senti como se fizesse tudo errado. Como se fosse decepcionar todas as pessoas que amo. Fiquei triste porque nunca mais poderia comer as coisas que gosto. Quem em um momento desses tem esse tipo de pensamento? Só alguém com a mente gorda. Acredito fortemente que esse pensamento gordo é um problema sério, uma doença, afinal a obesidade já é considerada doença e o que faz as pessoas chegarem a isso, né?! Mesmo com toda a informação que temos, ainda conseguimos sofrer por não poder comer certas coisas que fazem tão mal! Acho que nem quando tive o diagnóstico de câncer fiquei tão triste assim. Nem com todas as quimios e sessões de radio me senti tão triste por estar doente quanto me senti ontem ao saber da diabetes. Fiquei arrasada. Chorei muito a noite. A ideia de ser algo para a vida inteira é incômoda.

O único motivo de estar contando tudo isso é para dizer que alguma parte de mim, acredito que a Juliana magra e atleta que mora ali dentro no cantinho está vibrando agora, porque finalmente terá sua chance de aparecer! Ela está ali achando tudo isso um bando de besteira. Tudo bem ficar triste, afinal é uma doença séria que precisa ser controlada para não ter complicações sérias. Só que essa Juliana está ali me mandando parar de chorar e aceitar a realidade, pois é culpa minha e somente minha. Sempre soube dos riscos, mesmo assim não me disciplinava. Então, adianta chorar? Adianta lamentar? Adianta sofrer? Ela está ali gritando: “Agora vamos lá mudar!!!”. Porque é só isso que importa no momento: mudar.

Sem dúvida sei que tenho o apoio do namorado. Foi muito tocante ter dividido esse momento da minha vida com ele. Foi no consultório comigo e passou o dia sendo positivo. Sem dúvida terei o apoio dele nessa mudança, pois ele mesmo também quer mudar os hábitos. É assim que acredito que funciona =]

Então, o plano desse ano É mudar de vida. De estilo de vida. Encontrar novos prazeres que não envolvem comida. Emagrecer. Ter saúde. E “ser tora”. É a única coisa que planejo me dedicar de corpo e alma ao longo desse ano, do próximo e de toda a minha vida ;P

Energia positiva e vamos viver!!!

4 comentários:

André Carvalho disse...

Esse é o pensamento agora: mudar e viver! Parabéns pela iniciativa :)

"Somos o que fazemos, mas somos, principalmente, o que fazemos para mudar o que somos." Eduardo Galeano

Ana C. disse...

Nossa Ju fiquei tão tocada, simplesmente pq esse foi sempre o meu maior medo: qual seria a consequência do que eu fazia para a minha saúde.
Mas acredito muito que papai do céu sabe o que faz e talvez esse fosse o empurrão que você precisava rumo a uma vida mais saudável.
Dê o seu melhor, se entregue e incorpore essa nova situação de uma maneira que te seja positiva e que não te separe de viver uma vida plena e normal.

Estou torcendo muito por vc!:)

Beijo beijo

Rachel disse...

Vc consegue! É possível!!! Foque no positivo e vá em frente!!! Um bjo e tenha uma linda semana!!!

Silvia Lins disse...

Hipo é pra vida toda também e se fores ver, pelo menos comigo, comendo tudo que eu comia antes, me sinto muito mal e nao consigo dar conta de 50% do meu dia. Pode dizer que eh doença mas alimentação pesa muito mais pra quem tem hipotireoidismo, com remedio ou sem. Passei boa parte da faculdade almoçando/lanchando salgado e refri, atolada em miojos e mcdonalds, e posso nao ter engordado, mas sem duvida vivia me arrastando e passando arrastada nas matérias e com disposicao zero pra fazer um esporte, pra acordar bem num fds e passear, arrumar minhas coisas aqui em casa e etc. como uma pessoa normal. Eu saudável e com boa alimentacao tenho outra personalidade. Sou motivada, estudiosa, organizada. A eu "antiga" era bagunceira, relaxada com os estudos e preguiçosa. Eu hoje agradeço ter descoberto essa doença que apesar de ter inserido um remedio (caro!) no meu orçamento pra eternidade, trouxe tanta coisa boa que acho que dificilmente conseguiria "sozinha". Gostava tanto de mcdonalds que se nao me fizesse ficar TAO mal, dificilmente largaria. Se me fizesse ficar só com preguicinha, como faz com a média das pessoas, seguiria com ele pra sempre. E assim, acho que ia passar o resto da vida na mé(r)dia, no "mais ou menos", ter uma carreira mais ou menos, um corpo mais ou menos e morrer mais ou menos feliz também, como mais ou menos a média das pessoas faz. Como comer mal me DETONA, fui obrigada a sair do abaixo da média (doente moriubunda) pro acima da média, e só hoje percebo como no final das contas foi (tá sendo) excelente. E tu gostando ou não isso vai acontecer contigo também :P e uma parte de ti hoje pode chorar sim, mas eu sorrio 100%, porque to vendo um pouco aqui na frente que vais ser tão feliz a ponto de não entender por que diabos choraste. Rumo ao topo minha filha :) e sobre o post de ontem/hoje, vem pra ca pra casa se quiser, ou pelo menos de vez em quando pra espairecer, enquanto o clima nao melhora 100%, pq vai melhorar sim, todo mundo tem fases assim. Aqui demoro pra brigar mas quando briga é feio também, da vontade de catar as coisas e se mudar logo. Mas tudo passa. E enquanto nao passa (ou pra passar), dá um perdido na casa dazamiga pq tem gente que só dá valor pras coisas quando percebe que não tem ;) (maioria)